Junto do público, Edmércia acompanha arquivamento da Comissão

Oito vereadores votaram pela descontinuidade de Comissão que averiguava quebra de decoro

Com oito votos favoráveis e apenas um voto contrário, a Comissão Processante que averiguava quebra de decoro parlamentar por parte da vereadora Edmércia Micheletti (PSB) foi extinta.

A promoção do arquivamento se deu na sessão extraordinária da manhã de sexta-feira (14).

Rodrigo Novelli (PRB), que apresentou relatório pela continuidade do processo, foi o único voto contrário. “Se eu fui escolhido para compor a comissão como relator, eu tenho que apurar se houve ou não quebra de decoro parlamentar”, justificou.

Rafael Canova (PSDB) e Professor Antonio (PMDB), que são os outros dois membros da Comissão, divergiram do relatório de Rodrigo Novelli e propuseram o arquivamento, que foi ratificado pelo Plenário, com oito votos favoráveis e um contrário. Edmércia foi substituída no processo de votação pelo suplente Moacir Leôncio (PSDB).

Na Tribuna da Câmara, outros vereadores anunciaram e recomendaram o voto pelo arquivamento.

No final da sessão, Edmércia Micheletti reconheceu que errou ao dirigir o adjetivo “corja” a outros vereadores, na sessão de 22 de fevereiro. “Foi no momento de uma sessão calorosa, com as pessoas gritando e se inflamando, e a gente acaba se envolvendo junto. Foi quando eu usei a expressão que causou todo esse tumulto. Então, novamente, eu gostaria de pedir desculpas e agradecer pelo voto de confiança”.

Veja as imagens da sessão

Sucessão dos fatos

Em 22 de fevereiro, a Câmara votou projetos que mantinham o número de Secretarias da prefeitura. Na palavra final da polêmica sessão, a vereadora Edmércia atribuiu o adjetivo “corja” aos vereadores que votaram a favor.

Na sessão do dia 19 de abril, os vereadores receberam, por maioria, denúncia do eleitor Manoel Gonçalo Ramalho acusando Edmércia de quebra de decoro. A admissão resultou na instalação de Comissão Processante.

Em 27 de abril, Edmércia conseguiu na Justiça a suspensão do andamento da Comissão. A suspensão se estendeu até o dia 29 de junho. No período de suspensão, o denunciante protocolou documento na Câmara alegando não ter mais interesse na denúncia.

Com a retomada dos trabalhos, Edmércia apresentou defesa prévia e a maioria dos membros da Comissão recomendou o arquivamento, que foi aceito pelo Plenário e resultou na extinção da Comissão Processante.  

Projetos de lei

O final da sessão extraordinária de sexta-feira (14) reservou ainda aprovação em turno final de projeto que altera os planos orçamentários para aditivo contratual da obra do Centro Especializado em Reabilitação. Serão construídos muros de arrimo e fechamento e alambrados não previstos no projeto original, no valor de R$ 311.380,00.

Os projetos também remanejaram R$ 100 mil da secretaria de Obras para a secretaria de Serviços Públicos. O dinheiro é proveniente das receitas da CIDE – Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico- e incrementará a operação tapa-buracos. O único voto contrário foi de Ricardo Negrão (PTB).

→Assista à sessão de 14/7

Jornalismo – Câmara Municipal