Vereadores Novelli, Canova e Prof. Antonio - Comissão Processante

Quebra de decoro teria se dado por atribuir palavra “corja” a outros vereadores em sessão passada

Os vereadores Professor Antonio (PMDB) - presidente, Rodrigo Novelli (PRB) – relator  e Rafael Canova (PSDB) – secretário foram escolhidos por sorteio e comporão a Comissão Processante que averiguará se a vereadora Edmércia Micheletti (PSB) quebrou o decoro parlamentar ao adjetivar de “corja” os vereadores Rodrigo Novelli, Ricardo Negrão (PTB), Rafael Canova, Tonicão D’Agostino (PSDB) e Marcelo da Zumba (PSL) na sessão de 22 de fevereiro, quando os vereadores votaram a favor da manutenção do número de secretarias da prefeitura e criação de cargo de confiança.

A denúncia, baseada no Decreto-Lei 201/67, foi apresentada pelo munícipe Manoel Gonçalo Ramalho, com a transcrição do pronunciamento de Edmércia.

A Comissão terá 90 dias para conclusão do procedimento, que pode indicar até a perda do mandato.

Recebimento

O processo de admissão de denúncia se deu na sessão de 19 de abril. Edmércia, por ser denunciada, não participou da votação e foi substituída pela suplente Daniela Raineri (PTC).

Veja as imagens da sessão

Ricardo Negrão, Rodrigo Novelli, Tonicão D’Agostino, Rafael Canova, Marcelo da Zumba, Daniela Raineri e o presidente Alex Avansi (DEM) garantiram a admissão. Os contrários foram Miriana Amatto (PR) e Professor Antonio (PMDB).

No início da sessão, Edmércia pediu desculpas aos vereadores que se sentiram ofendidos e disse que jamais ofendeu qualquer cidadão itapolitano. “Chegamos a um ponto lamentável na história política de nossa cidade”, protestou a vereadora no final da sessão.

A Comissão Processante terá o prazo decadencial de 90 dias para concluir os trabalhos, inclusive eventual sessão de julgamento.

→Assista à sessão 

Jornalismo – Câmara Municipal