Vereadores em pé

Seis vereadores entenderam que Avelino cometeu quebra de decoro parlamentar em discursos e publicações que feriram a honra e imagem pessoal do prefeito Júlio Mazzo

 

15:23:35 - Em uma sessão de mais de seis horas, a maioria qualificada dos vereadores da Câmara decidiu cassar o mandato de Avelino Cunha (PT). A sessão de quinta-feira começou logo depois das 17h e se estendeu até a 0h15.

Veja as fotos da sessão

Em 20 de setembro do ano passado, os vereadores acolheram denúncia do prefeito Júlio Mazzo (PRP) e criaram a primeira de duas comissões processantes contra o vereador do PT.

Passado todo o período de instrução, a maioria dos membros da Comissão Processante concluiu que Avelino cometeu quebra de decoro parlamentar, definida no artigo 86 do Regimento da Câmara, em discursos proferidos na Tribuna e publicações na imprensa escrita, que feriram a honra e imagem pessoal do prefeito.

Guto Biella (PV), Marcos Venturini (PR), Valdir Gonzaga (PSL), Tonicão De Agostini (PR), Keko Puzzi (PRP) e José Avelino (PRP) constituíram a maioria qualificada de dois terços para cassar Avelino. Marcelo Francischetti (PMDB), Professor Antonio (PMDB) e o presidente Engenheiro Irani Biazotti (PMDB) foram contrários às denúncias e à cassação.

O julgamento

A população acompanhou toda a sessão de julgamento, que começou com a leitura de partes do processo em cinco horas de duração. Em seguida, Avelino Cunha fez sua defesa na Tribuna.

O ex-vereador, nas duas horas a que teve direito de uso da palavra, afirmou que sempre propôs debates sobre políticas públicas e nunca ofendeu o prefeito enquanto pessoa física. Destacou que sempre cumpriu suas funções de parlamentar e prometeu retornar em breve às suas funções na Câmara.

As últimas etapas foram a votação e a declaração de cassação do mandato.

Na segunda-feira (13/02), às 17h15, a Câmara realiza a sessão de julgamento da segunda comissão processante originada de denúncia do prefeito contra Avelino Cunha. O foco desta vez é avaliar se Avelino obteve vantagens em ações judiciais contra a Prefeitura para concessão de remédios e realização de exames médicos.